Mulheres não têm orgasmo porque fazem sexo masculinizado

Mulheres não têm orgasmo porque fazem sexo masculinizado

O problema sexual mais comum que atinge as mulheres é a dificuldade de chegar ao orgasmo. E depois de mais de 10 anos de prática clínica, posso dizer, sem medo de errar, que a principal razão para a anorgasmia é o fato das mulheres fazerem um sexo masculinizado. Ou seja, a mulher aprende a fazer sexo de modo inconsciente ao ver o homem se masturbando, ou no ritmo dele.

Claro que você pode ser homoafetiva e não ter iniciado sua vida sexual com um homem, mas esse caso é a minoria. Ainda assim, caso tenha sido iniciada por uma mulher que também já possuía um sexo masculinizado, dará na mesma. 

O que é o sexo masculinizado? 

O corpo feminino demora três vezes mais para ficar pronto em relação ao sexo do que o masculino. Ou seja, enquanto o homem sente todo o auge do prazer, a mulher ainda nem mesmo começou a esquentar o corpo. 

Outra parte do sexo masculinizado é a questão da mulher se deixar ser levada pela pessoa parceira. Por isso é que a grande maioria se queixa de perder o desejo sexual e não acompanhar mais o par. Os homens (ou uma mulher com o sexo masculinizado, caso você tenha relações homoafetivas) possuem um instinto sexual muito diferente, a necessidade deles é muito mais corporal. 

Eles  normalmente buscam o sexo para saciar as necessidades do corpo, se esvaziar e suprir o fervor hormonal. É por isso que a grande maioria, quando já tem intimidade com a parceira, não procura criar um clima antes de iniciar o sexo. 

Sexo masculinizado adormece e “caleja” sensibilidade da mulher

Ao buscar pelo prazer igual ao homem, de forma mais agressiva e rápida, a mulher “caleja” suas terminações nervosas e adormece a sensibilidade dessa região. Quando isso acontece, ela precisa atritar o clitóris durante a relação para ter orgasmo. E mesmo quando tem um, é extremamente físico e local – e não por inteiro. 

Esse tipo de sexo masculinizado sacia o homem, mas não a mulher. O parceiro se enche de energia, sente-se rejuvenescido e quer sempre mais. Afinal, ele está fazendo amor da forma que o completa. Mas, por outro lado, a mulher só se desgasta e se machuca emocionalmente, muitas vezes sem sequer perceber. Vale reforçar que, neste caso, a culpa não é de nenhum dos dois. Dificilmente alguém nos ensina a fazer sexo ou diferenciar as necessidades sexuais masculinas e femininas. 

Apesar disso, o resultado do sexo masculinizado é sempre o mesmo. Como as mulheres fazem amor de forma pouco prazerosa na maioria das vezes, seu corpo vai se recusando a receber um sexo que não traz plenitude e não completa. Assim, você vai criando bloqueios em relação à prática, seja negligenciando o sexo ou simplesmente fazendo-o automaticamente, para manter o relacionamento ou agradar a pessoa parceira. 

Isso, com o tempo, gera rigidez, perda do desejo sexual, fraqueza da musculatura vaginal e falta de sensibilidade corporal durante o sexo. É por isso que o desejo sexual e o ato em si são partes necessárias da qualidade de vida e da saúde do corpo.

E vale deixar claro que prática sexual não se refere apenas a uma relação sexual com outra pessoa, como também envolve a questão da masturbação e de como a mulher pode se conhecer melhor por meio disso. 

Como é um sexo feminino? 

Muitas mulheres dizem que estão satisfeitas com sua vida sexual, pois nunca conheceram um sexo feminino. O sexo feminino precisa de muito estímulo para despertar o desejo sexual. Ou seja, beijos, carícias, sedução, preliminares, excitação, etc. É preciso vivenciar mais o emocional, ir entregando-se ao clima sexual pouco a pouco, deixar o corpo clamar por sexo, a respiração ficar ofegante e a vagina “piscar”, ou seja, pedir pela penetração. Somente neste momento a mulher está pronta e poderá usufruir de um prazer de corpo inteiro e não só local e genital como de costume. 

Quando uma mulher está muito excitada, seu corpo libera muitos hormônios, que mexem diretamente com as emoções. Como nosso corpo nunca mente, principalmente na “hora h”, ele entra num processo de catarse diante dessa descarga emocional, fazendo com que coloque para fora o que está guardando. 

Você perceberá que sua consciência altera como se estivesse bêbada, esse é o efeito da descarga adrenérgica, a bomba de hormônio natural liberada pelo seu corpo. Nesses momentos, pode acontecer da mulher chorar depois do orgasmo ou, num outro extremo, ter uma crise de riso. Ou ainda ter uma tonelada de ânimo ou inspiração para trabalhar, estudar, fazer atividade física, etc. É esse tipo de energia que o corpo feminino anseia com o sexo. 

Quando o sexo supre as necessidades femininas e masculinas, o casal se nutre com a energia sexual e fortalece o elo do relacionamento. Mesmo que seja uma relação casual, ambos fortalecem um ao outro, pois emanam o respeito pela entrega dos dois corpos e garantem o prazer de cada envolvido. 

Deixe um comentário

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *